quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Em Plenitude


Começa na certeza de absorver felicidade nos gestos mais simples, é inspirar-se no amor que é incondicionalmente reciproco, coletar  a satisfação de viver no instante que não se dimensiona, apenas vive-se. Revolver-se em angustia e prazer de sentir toda magnitude de um ato de olhar e perceber quanta vida existe ali pra viver, traduz-se em alegria, amor e paz e estende ao passo que se vai e as horas e os minutos e os segundos se entrelaçam e aceleram sem que ser perceba que o dia passa intensamente e rapidamente por nós. Toda inspiração é fruto da reação de uma experiência que se tem diante do cenário que a vida permite encontrar, portanto é desenvolver todos os sentidos e traduzi-los da maneira que se entende, vivendo-o na sua integridade, cada um na sua individualidade, mas quando perpassa por nós é a metamorfose de ter tido o privilégio de codificar a fonte, seja no amor, seja na dor, seja na alegria, seja na tristeza, seja em qualquer sentimento, há de se haver um motivo para que se tenha a nobreza de reconhecer que fomos encontrados no outro, é a certeza de que valeu apena permitir-se viver em plenitude. 

Alex Possati ( reflexão )






segunda-feira, 30 de setembro de 2013

A NOVIDADE NOSSA DE CADA DIA



A vida perderia a graça se soubéssemos como será nosso dia e seus detalhes, portanto o que faz a vida valer a pena é a surpresa do improvável, do inexistente, da manifestação do novo que nunca existiu. Viver é caminhar na direção de muitos "gênesis" diários. Não existe determinismo pro nosso dia, o que existe é a esperança de que viver vale cada milésimo de segundo, seja seu dia bom ou mal, o importante é saber que isso torna a vida mais habil e com um sentido maravilhosamente misterioso.

Alex Possati ( reflexão )

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

DETALHES




" Foi só um estalo!... mas estalos fazem mínas e túneis desabarem " 

Detalhe é aquilo que é imperceptível à muitos ou a maioria, detalhe é o que praticamente faz a completa diferença e muda tudo, detalhe é o que contrasta o óbvio do improvável, detalhe é o que sustenta toneladas de informações, sem o detalhe tudo pode ser medido como comum, portanto detalhe é o algo mais, é a medida que transforma idéias e sentimentos, é o que implode e revolve tudo, ao observador o detalhe é revelador e logicamente finito, guerras são vencidas e perdidas por causa de detalhes, perde-se e ganha-se também por detalhes, portanto não esqueça que embora tudo pareça tão aceitável e  comumente pratico, não menospreze os detalhes, pois as histórias estão cheias deles, e eles são insuportavelmente importantes.

Alex Possati (reflexão)

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

SABER DANÇAR



Você pode até me tirar pra uma dança ousada, mas para isso é preciso conhecer o meu rítimo, a beleza da dança esta na sintonia e na harmonia dos parceiros, qualquer passo em falso tira todo encanto, toda beleza e tudo perde o ritmo, ainda que a música seja boa os passos se perdem e o ritmo se vai. 

Alex Possati (reflexão)

terça-feira, 30 de julho de 2013

ESCOAMENTOS

Não há como sustentar aquilo que é líquido em recipientes com furos e brechas, por menores e imperceptíveis que sejam, uma hora se esvai e o que permanece é aquilo que foi construído com solidez, com verdade e com fundamento.

Alex Possati (reflexão)

domingo, 14 de julho de 2013

Nosso Lastro

 
 
 
Quão importante é nosso lastro, o peso que carregamos em virtude do caminho percorrido e das múltiplas experiências vividas na vida, quantos encontros, quantos desencontros, quantas intensidade que a vida faz acontecer. O lastro é o que nós chamamos e conhecemos como experiência do encontro com a vida, é o que de fato podemos testemunhar de nossas vidas, tristezas e alegrias vividas exclusivamente e exclusivamente por cada um de nós, individualmente. Somente nós somos testemunhas de quanto valeu a pena, ou não, e o quanto nos deixou o tempo escapulir neste tempo em que vivemos e estamos ainda vivendo, até que toda história olhe para nós en os favoreça com aplausos, ou não,  do quanto valeu a pena cada segundo na construção do nosso lastro, certamente valeu.

Alex Possati (reflexão)

sábado, 13 de julho de 2013

ENORME E IMENSURÁVEL, GRAÇA

 
 
A conclusão que chego é que todos os monstros habitam dentro de nós, profanos, insanos, rebeldes, devassos, nós mesmos, caídos desde então por um reflexo adâmico que perpetua em nossa existência enquanto homens (humanos), quando acordados são capazes de rugir com gritos insaciáveis de fome, e neste contraponto que convive a razão, o equilíbrio, a sensatez, somado a coragem de se buscar dentro de si um poder imensurável, um grão, ( que não pode ser medido ) que os façam adormecer e render-se ao seu grande poder de neutralizar toda insanidade. Paulo sabia muito bem o que era com-viver com esses monstros, sua ousadia o fez emergir com um reconhecimento explicito de que nem sempre será possível vence-los, " o mal, esse faço "  e é nesse esgotamento espiritual e existencial que suplico pela mais imensurável de todas as grandezas, que não se pode explicar, mas que pode ser experimentada a qualquer instante, a Graça!
 
Alex Possati (reflexão)

quarta-feira, 10 de julho de 2013

SOMENTE NELE


Somente Nele serei eu, somente Nele posso voar mais alto, somente Nele posso transcender ao espaço finito que há diante de mim.Nele eu tenho a chave das cadeias existenciais e espirituais que me fazem tomar as decisões de manter-me livre ou submeter-me  ao cárcere de minhas emoções, por vezes equivocadas.

Alex Possati (reflexão)

terça-feira, 9 de julho de 2013

ESTRITAMENTE NECESSÁRIO


Há um olhar necessário, estritamente necessário para tudo quanto estiver opostamente regendo força contrária a uma outra força diferenciada pela causa, que dessa não tenha que causar um esforço ainda maior para que enfim, faça-se romper com o pragmático, com o caótico, com o fim desta.

Alex Possati (reflexão)

quarta-feira, 3 de julho de 2013

DESONESTO



É desonesto todo sentimento quer procrastina a relação, que tarda em dizer tudo que tem pra dizer, é desonesto toda relação que não há cumplicidade, medida na força e no anseio de ser auto-suficientemente capaz de ludibriar, melhor seria não te-la feito juras. O ser em desconstrução é quase irrecuperável, seu estado é de queda na direção do próprio eu, entregue na sua esperteza, dotado da capacidade covarde de dissimulação, sem levar em conta o mal gerado no eu-outro que carrega dele a imagem do ontem, não mais como o é hoje, romper talvez não seja a melhor solução, mas seria uma anestesia para estancar a dor e a sensação de uma momentânea perda, que com o tempo poderá tornar-se ganho, só o tempo dirá.


Alex Possati (reflexão)

segunda-feira, 1 de julho de 2013

PROTEÇÃO



Paradoxalmente protejo-me no que me desagrada, no que me importuna e me desconforta, em tudo que me contraria o ser e a essência que foi construída em mim e por mim. Meus devaneios e minhas observações me aguçam a visão e me antecipam as meias-verdades, portanto na maioria das vezes e assertivamente previno-me do estado de frustração, evito-me no meu inconsciente ciente, desprendendo-me arrependo-me e envolvo-me de volta, lançando novamente a âncora para fincar meu porto seguro, aonde asseguro-me que estarei inevitavelmente protegido.

Alex Possati (reflexão)

SENSAÇÕES APENAS




"Correr riscos reais, além de me apavorar, não é por medo que eu sinta excessivamente - perturba-me a perfeita atenção às minhas sensações, oque me incomoda e me despersonaliza."

(Fernando Pessoa)


Há de ser tornar vulnerável toda alma que se perde em si, todo sentimento que se lança na irrealidade das sensações, bom seria não te-las para que não se desconfigure o ser, mas em tendo-as, bom é que se esforçe  em recuperar a realidade, tão como os riscos que se corre, viver e ter sensações faz parte desse processo, hora sou eu hora posso não ser, fato é que o desequilíbrio pode causar, a certa altura, um desconforto por justamente estar despersonalizado, torna-te quem tu és já diria o filósofo. Pessoa tinha razão, as sensações devem ser exacerbadamente controladas pela razão de sermos nós mesmos, reais. 

Alex Possati (reflexão)

quarta-feira, 26 de junho de 2013

DIA FELIZ



Será feliz o dia em que você acordar sem ranço, sem mágoa, sem cólera. Será feliz o dia em que você não trouxer a bronca do ontem para o hoje, em que o perdão foi liberado e que a ideia de sustentar equívocos for realmente um equívoco. O dia é feliz quando temos em nosso depósito de memórias motivos de sobra para agradecer a Deus por sermos privilegiados de ter vivido o ontem da melhor maneira possível, sob qualquer perspectiva de dar certo ou errado, chegamos até aqui. Para que um dia seja feliz é preciso encontrar a dose certa que o dia oferece, motivos pra sorrir ou chorar todos nós temos, entretanto não podemos anular a satisfação que existe quando a vida é vivida e sentida em sua plenitude, olha que plenitude pode ser simplesmente saborear o gosto do café quando começa o dia, Ed René diz  que felicidade não é aonde se chega, mas o modo como se vai, então vá e seja, e veja, e sinta, deixe que o dia seja feliz, pois a noite vem e você já terá alcançado graça.

Alex Possati (reflexão)

terça-feira, 25 de junho de 2013

RETICÊNCIAS


Poucas canções conseguem traduzir quase que a totalidade do que de fato somos, agimos e pensamos. Nessa metamorfose de vida diária, assumir uma forma padrão é quase inviável, talvez para os conformados seja fácil, para os incabíveis em sí não. Bem vindos ao Teatro Mágico, bem vindos a mim. 
Alex Possati (reflexão)

RETICÊNCIAS ( Teatro Mágico )
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco
Se agregar não é segregar
Se agora for, foi-se a hora
Dispensar não é não pensar
Se saciou foi-se em bora
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco
Se lembrar não é celebrar...
Dura é a dor quando aflora
Esquecer não é perdoar
Se consagrou sangra agora
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim daqui a pouco não
Quanta mudança alcança
O nosso ser posso ser assim
Tempo de dá colo, tempo de decolar
Tempo de dá colo, tempo de decolar
O que há é o que é e o que será
Tempo de dá colo, tempo de decolar
Tempo de dá colo, tempo de decolar
O que há é o que é e o que será
Reciclar a palavra, o telhado e o porão...
Reinventar tantas outras notas musicais...
Escrever o pretexto, o prefácio e o refrão...
Ser essência... muito mais...
Ser essência... muito mais...
A porta aberta, o porto acaso, o caos, o cais...
Se lembrar de celebrar muito mais...
Se lembrar de celebrar muito mais...
Se lembrar de celebrar muito mais...
Tá certo que o nosso mal jeito foi
Vital pra dispensar o nosso bom
O nosso som pausou
E por tanta exposiçao a disposiçao cansou
Secou da fonte da paciencia
E nossa excelência ficou la fora
Solução é a solidão de nós
Deixa eu me livrar das minhas marcas
Deixa eu me lembrar de criar asas
Deixa que esse verão eu faço só
Deixa que esse verão eu faço só
Deixa que nesse verão eu faço sol
Só me resta agora acreditar
Que esse encontro que se deu
Não nos traduziu o melhor
A conta da saudade quem é que paga
Já que estamos brigados de nada
Já que estamos fincados em dor
Lembra o que valeu a pena
Foi nossa cena nao ter pressa pra passar
Lembra o que valeu a pena
Foi nossa cena nao ter pressa pra passar
Cabô...

sexta-feira, 21 de junho de 2013

É POR MUITO MAIS...OU MENOS.




Podemos olhar para o que está acontecendo por vários ângulos, sabemos que o que estamos vivendo é algo muito intenso, e como sabemos, muita intensidade pode gerar pouca durabilidade, nessa hora é preciso um esforço muito grande para que possamos discernir esse tempo em que uma nação inteira vai para as ruas ebulir seus direitos e reivindicações que foram se acumulando por décadas de injustiça, desigualdade, corrupção e abandono.

Os brasileiros, assim como os que o “governam” ainda tentam entender o que está acontecendo com o Brasil, e nesse exato momento reúnem-se para tentar discernir, mas de onde surge essa massa adormecida? essa reação popular que estava até ontem comemorando as esmolas e que de “uma hora pra outra” traz suas inúmeras indignações, como quem "cospe no próprio prato". É preciso cautela, ha muita desproporção e indefinição sobre que rumo ou para que norte estamos apontando, falta-nos foco?

Por outro lado, a mídia por sua vez vem tentando encontrar um tom equilibrado para não sofrer o dano da “revolta”, por ser soberana, parcial e tendenciosa, vai tentando filtrar e minimizar tudo quanto puder, em edições, em narrativas em reportagens compradas que centralizam o vandalismo e a “violência, e dessa forma corresponder com os interessados por transformar esse momento emblemático em mero carnaval antecipado, que logo vai passar.

Contudo, diante de tudo que temos visto e vivido, surge mais um questionamento, quem vai assumir a direção disso tudo? Um movimento novo que naturalmente emerge das redes sociais, que tem como princípio a realidade imediata de quem fala e de que ouve em tempo mais do que real, bem como a resposta nas ruas, enquanto isso o mundo olha para nós e de forma amigável apresenta seu apoio e incentivo.

Por fim, a exacerbação do foco no vandalismo e na revolta, coisas que poderiam ser muito bem resolvidas se houvesse uma política de segurança eficiente, vão se tornando a estrela do movimento, mostra sua força pelo mal que conduz, e como a mídia se alimenta do mal alheio, aproveita pra virar a mesa, se não encontrarmos uma voz e um líder pra esse momento, mesmo ciente de que fiz a minha parte, correremos juntos o risco de todo esse esforço ter nos custado nada mais que vinte centavos.


Alex Possati (reflexão)

segunda-feira, 17 de junho de 2013

CONTENTAR-SE



Da beleza da sinceridade, da verdade em meio ao anonimato, da culpa secreta de um eu que se vive num paralelo de incertezas, do risco da queda ou do prazer incerto da troca e do apego. A desconstrução da moral e da ambiguidade da satisfação do ego, do sentimento amigável que se insurge contra a sanidade, pela insanidade. Grande fronteiras da existência, outrora distantes se aproximam nas variações de humor, de melancolia, de zelo. É o transbordar do humanamente humano, do meramente epidérmico, das fortalezas que se constroem e se destroem diariamente, até que se encontre plenitude e estabilidade nas oscilações da alma, do corpo, em pleno voo, em plena luz, em pleno caos e serenidade.

Alex Possati (reflexão)

quinta-feira, 13 de junho de 2013

UMA DEFINIÇÃO DE FELICIDADE




"Felicidade, se eu não estiver muito enganada, é ter noção da precariedade da vida, é estar consciente de que nada é fácil, é tirar algum proveito do sofrimento, é não se exigir de forma desumana e, apesar (ou por causa) disso tudo, conseguir ter um prazer quase indecente em estar vivo."


 Por Suelen Lima

RENASCE A ESPERANÇA


A esperança renasce através de atitudes relevantes, e é o que tem feito a juventude de São Paulo para protestar contra os preços abusivos e aumentos inescrupulosos das passagens de ônibus, de certo que muitos excessos acontecem diante de um quatro fervoroso com esse. Por um lado a maximização da imprensa em relação ao destaque dado no vandalismo e sempre a favor dos empresários, e por outro lado a insistência dos guerreiros que caminham no alvo certo para mudanças. Por um lado o governo tenta camuflar e faz declarações "desdenhando" a importância das manifestações, um sinal de medo e preocupação até justificável, autoridades tentam assim como a imprensa, jogarem a todo custo o povo contra o povo. Será que acordamos? não sei, só sei que eles me encheram de orgulho ao sairem do lugar. Rumo a grandes conquistas, próxima parada, Rio de Janeiro.

Alex Possati (reflexão)

segunda-feira, 10 de junho de 2013

UMA LINHA TÊNUE


Existe sempre uma linha tênue entre o pensamento e a palavra, de maneira que o que penso nem sempre pode ser dito, posto que o pensamento por muita das vezes é livre de bloqueios e sem filtros que o possam dissecá-lo, ele se dispersa e se lança na direção de que for o alvo ou objeto lançado. Uma crítica, um elogio, uma contemplação ou uma simples revelação é o que faz ebulir as palavras que ficam soltas na mente por plena observação contida, pedindo para serem liberadas dos filtros. No entanto, deve-se resguardar e preservar-se do efeito em si quando lançado. O Belo é admirável, é encantador, mas descrevê-lo pode ser um risco, pois poderia faltar detalhes e detalhes talvez invisíveis,  não por imperícia do observador, mas pela imposição dos limites, ou pela razão do resguardo e do equilíbrio constante. 

Alex Possati (Reflexão)

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Vai Passar



Vai passar a euforia do momento, o sentimiento muda com a movimentação das histórias do cootidiano. As pessoas mudam, assim como seus habitos também, as emoções mudam assim como a impressão que temos das coisas e pessoas que estão perto e longe de nós, deixam em nós. Nada é pra sempre, há um retrocesso e um avanço na direção do que há diante de nós, ir e vir é inerente a todo ser humano, já dizia a canção: a fase ruim passa, mas a boa passa também... E se vai passar é melhor não se apegar e viver o momento da melhor maneira possível, pois ele passa, e não adianta voltar pro que foi, porque este já não é como antes, pois cada segundo é um instante que não se repete, vai passar.

Alex Possati (reflexão)

quinta-feira, 28 de março de 2013

VELHO JOGO


Com o tempo você irá aprender a jogar o jogo da vida, perderá muito antes de ficar mais ou menos ruim, bom? difícil, porque não depende só de você o ficar bom e você continuará no jogo, tentando marcar corretamente  cada "X"  de forma precisa para não perder. Adivinhar o lado certo de seguir ou a sequência certa de marcar a jogada não é muito inteligente, é preciso sempre pensar antes de dar o próximo passo. A única coisa na verdade que se sabe é que nem todo dia será de glória, mas que enquanto houver dia, haverá de ter uma estratégia pra vencer a derrota ao perder a vitória, o jogo é velho, mas a vida não, ela se renova todos os dias, vamos ao jogo, vamos a luta.

Alex Possati (reflexão)

terça-feira, 19 de março de 2013

Sublime Simplicidade



Perder a simplicidade na vida é perder-se de si, é com-viver com o irreconhecível e desconfigurado mundo ilusionário, é perder a mais grandiosa forma de se viver a vida, é esvair-se da sublimidade de tornar-se útil ao invés de tolo.
Alex Possati ( reflexões )

UM SORRISO


Um sorriso sempre é útil, como num encaixe perfeito aos olhos de quem o consegue perceber e que encontra espaço dentro de quem o decifra, com  beleza e singularidade irretocável que estabiliza e transmite seus multiplos significados, um deles se chama Graça.

Alex Possati (reflexão)

quarta-feira, 6 de março de 2013

ONDA CASUAL



"Haverá sempre um mistério por trás de cada onda, nunca sabemos qual a direção que a próxima onda irá tomar, só a habilidade e a casualidade podem fazer você dropar sem se ferir, surfar sem erros por conta dos corais, até chegar em terra firme e perceber que foi só uma onda" 


Alex Possati ( reflexão )

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

NÓS PECADORES, ROGAMOS POR VÓS, SANTA MARIA


Nosso luto e pranto irão perpetuar nas mentes de muitas famílias, mais de 230 jovens morrem em uma boate no Brasil de uma única vez, a humanidade recebe a notícia, a repercusão é mundial, não há fé natural que sustente a possibilidade de verbalizar e crer que essa foi a vontade de Deus. Quando minha razão excede todas as forças e possibilidades para assimilar tamanha dor, me vem a fé sobrenatural que me lança na esperança transcendente à meta-história, de crer que existe sim um SENHOR da história, que diante de uma tragédia de proporções emocionais imensuráveis como essa, creio que ELE acaba de salvar milhões de jovens espalhados pelo mundo, noticiando que a vida é um conto ligeiro, que quem crer NELE, ainda que esteja morto, VIVERÁ!

Alex Possati (reflexão)