segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A ANTIGA ARTE DO MAL


Ao que me parce, o mal já se tornou arte, principalmente quando me deparo com notícias como essa essa de hoje, emborar retroativa na sua barbárie, e que reproduz em nós um sentimento de voltar ao passado e reviver mais uma vez uma situação digna de ser refletida por cada ser humano, digo, humano.

Essa é a arte do mal, transformada em painés da mídia, como descrita pelos filósofos abaixo e estampada da melhor forma em mais um caso de maldade racional em Brasília e em Pernambuco. veja:(http://glo.bo/w8D6d7) e http://glo.bo/y9pF5E

Simplificando: Um morador de rua anônimo e um Ícone do cristianismo no Brasil ( o Bispo Robinson Cavalcanti)

O que dizem os Filósofos:

"Em Plotino, a matéria é identificada com o mal e com a privação de toda forma de inteligibilidade.
Em Kant, o ser humano teria uma propensão para o mal, apesar de ter uma disposição original para o bem.

Hannah Arendt retoma a questão do mal radical kantiano, politizando-o. Analisa o mal quando este atinge grupos sociais ou o próprio Estado. Segundo a autora, o mal não é uma categoria ontológica, não é natureza, nem metafísica.

É político e histórico: é produzido por homens e se manifesta apenas onde encontra espaço institucional para isso - em razão de uma escolha política. A trivialização da violência corresponde, para Arendt, ao vazio de pensamento, onde a banalidade do mal se instala."

O que diremos nós a cerca dessas coisas...

"... e não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do MAL" amém.

Alex Possati (reflexão)