segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Dezembro É Sempre Assim




Sim, dezembro é um mês de muita correria, entretanto é cheio de coisas boas, sentimentos bons e as pessoas estão mais sensíveis para as festas de fim de ano, toda positividade chega muito bem vinda, e inspira, e conforta, e nos capacita ainda mais pra boas realizações, em nós, no outro e em quem puder ser alcançado. Um bom dia, um boa tarde, um desejo bom nos faz muito bem, e sempre é carregado de reciprocidade, de um OBRIGADO! nos cai bem o que nos faz bem :)! 

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

CALEIDOSCÓPIO SEM ÓRBITA


Não é preciso apagar a luz
Eu fecho os olhos e tudo vem
Num Caleidoscópio sem lógica
Eu quase posso ouvir a tua voz
Eu sinto a tua mão a me guiar
Pela noite a caminho de casa...

Quem vai pagar as contas
Desse amor pagão
Te dar a mão
Me trazer à tona prá respirar
Vai chamar meu nome
Ou te escutar...

(Hebert  Viana)

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

terça-feira, 13 de outubro de 2015

AS VEZES, SEMPRE


As vezes parece sede em dia de calor intenso,
Ou no inverno a necessidade de uma lareira,
As vezes é o pensamento ,
As vezes falo sozinho, quase sempre falo sozinho
Pensamento as vezes parece que vira pérola,
Pérola que vai sendo moldada com a dor dentro da ostra,
Hoje somos ostras vivas dentro de um aquário
São muitos "as vezes" que as vezes torna-se sempre,
Ou seria para sempre? não sei, só sei que as vezes,
As vezes preciso sempre dizer a mesma coisa.
Também sinto.



quinta-feira, 17 de setembro de 2015

ADAPTÁVEL HUMANO





Há várias maneiras de não perdermos o fôlego, na nossa memória o oxigênio é inesgotável, nossos aquários são subjetivos, somos um oceano de possibilidades, escrever por exemplo é respirar, pensar o bom momento é não sofrer a apnéia das circunstâncias. Coisas simples também me dão fôlego, como um relato simples de como foi seu dia, uma música pra trazer boas lembranças, tudo é oxigênio, tudo é respiração, é inspiração, é sensação que não deixa o vazio ganhar espaço, é o adaptável humano de cada dia.

NUM "RE" LICÁRIO OU COISA ASSIM




O que seria de nós se não tivéssemos a capacidade de recordar, de reviver, de repensar, de ressentir, de reclamar, de redescobrir, de revigorar, de revitalizar de reinventar o que já foi. Minha memória é um arquivo vivo, é um diário tão lúcido que as vezes penso que ando me distraindo com minhas idéias. [a.p]

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

SOBRE O SABER



AGORA
Imagina eu, que nada sei, nada vejo, nem consigo ver.
Que hoje eu tenho a certeza do que posso dizer
Afirmo, tu sabes muito mais de mim, do que eu  sei de ti.
Aqui é o lugar de onde vejo o nada, donde estou, nada vejo.
E sobre o meu não saber, transformo isso em poesia, pra perdurar.
Pra imaginar, pra especular, pra supor qualquer coisa.

[a.p]


terça-feira, 1 de setembro de 2015

SALOMÃO DO REGGAE | NEURA



"Na beira do rio..ou na beira do mar.."

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

POUCAS PALAVRAS




As vezes da uma sensação de estar bebendo um meio copo de palavras que ainda deixam-me com sede, como gotas, pingam tão devagar, como num leve gotejar, mas ainda sim, gotejam sobre este mundo aqui. [a.p]

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

RAZÃO E EMOÇÃO


A cada passo que se dê na direção do desconhecido mundo chamado amanhã, que fica logo ali, aonde nunca jamais estivemos, caminhamos nós todos, todos os dias.
[a.p]

SABE LÁ ...


(ESQUINAS - DJAVAN)

Só eu sei
As esquinas por que passei
Só eu sei só eu sei
Sabe lá o que é não ter e ter que ter pra dar
Sabe lá
Sabe lá
E quem será
Nos arredores do amor
Que vai saber reparar
Que o dia nasceu
Só eu sei
Os desertos que atravessei
Só eu sei
Só eu sei
Sabe lá
O que e morrer de sede em frente ao mar
Sabe lá
Sabe lá
E quem será
Na correnteza do amor que vai saber se guiar
A nave em breve ao vento vaga de leve e trás
Toda a paz que um dia o desejo levou
Só eu sei
As esquinas por que passei
Só eu sei
Só eu sei
E quem será
Na correnteza do amor...

sábado, 25 de julho de 2015

CONTINUE




"A dizer, a falar, a expressar, a desabafar
A vir e ser, a doar e receber
A encontrar alento, afago, apego
Ao ritmo que a vida nos permitir
Aos sons que ela deixar...
Haverá sempre um encontro na 
Extensão de ser quem somos."



O Último Pôr do Sol - Lenine (MTV Acústico)



" Sentindo saudade do que não foi..."

GRATIDÃO


É sempre bom poder dizer: Obrigado !

sábado, 11 de julho de 2015

Quando em Quando



Quando tu vens, vou
Quando tu falas, respondo
Quando tu passas, sinto
Até quando calas, ouço
E quando aparece, percebo
Quando entristece, entristeço
Todo dia é assim, falo sozinho 
e de quando em quando, escuto-me.

[a.p]

domingo, 28 de junho de 2015

Desejo


NOVELA TOP MODEL - Essa Noite Não Acústico - DVD



Só pra quem curtiu TOP MODEL - Uma noite saudosa ... quando a gente vai lá no passado pra lembrar do presente. 

É SÓ FECHAR OS OLHOS


sábado, 20 de junho de 2015

Pelo Nosso Bem


O bem que plantamos em nós e no outro, mesmo que passem os dias, sempre floresce e retorna... num sorriso, numa saudade, numa lembrança, no sentimento bom da história. A memória tem esse poder de fazer lembrar sem doer, e doar de si toda positividade que desejo a você. 

terça-feira, 24 de março de 2015

A ESTRADA VAI ALÉM DO QUE SE VÊ




Finalmente consegui parar, não demorei de propósito, mas é que olhei querendo saber mais, por achar que disseste tão pouco,  mas enfim,  vim aqui pra dizer que ta tudo indo vagarosamente e lentamente devagar, cultivando os mesmos hábitos de pensar e pensar todos os dias no mar de memórias, já é normal, já é hábito ir pra minha caixinha buscar lá o que é bom, o que é bem, o que faz bem e ameniza. 

"Moça, olha só o que eu te escrevi
É preciso força pra sonhar e perceber
Que a estrada vai além do que se vê..."
(Los Hermanos )

segunda-feira, 9 de março de 2015

A Praça




Venho aqui, periodicamente a esta praça, consultar meu coração, a procura de algo que me dê ao menos um retorno, uma notícia, um sinal de vida... nada obtenho, nada encontro, só ouço o silêncio, você nada diz. Mesmo assim, volto todos os dias, ainda que o tempo passe lentamente, mesmo com a praça vazia, me pego falando comigo mesmo, um monólogo entre eu e mim.

domingo, 4 de janeiro de 2015

De Cada Vez, Um Dia Talvez


De cada vez, um dia talvez, eu deixe o tempo não mas me esmagar, com a bagagem que carrego no peito, no reflexo de todos os dias, dos espaços ocupados que por vez faz doer no silêncio, mesmo que a ansiedade de procurar tuas frases, tuas palavras, tuas respostas, teus sinais e não encontrá-los quando acho que mais preciso, e percebo que não tenho. [a.p]