quarta-feira, 28 de abril de 2010

Flagra de Graça na Desgraça

Essa imagem foi captada do meu celular no dia do "caos" no Rio de Janeiro, meninos brincam em um valão de esgotos em Padre Miguel que se tranfromou em um parque aquático emprovisado.

Nesse mesmo dia, Arnaldo Jabour encerra o JN com a seguinte frase: " As catástrofes naturais sempre iluminam a catástrofe social"

Até a próxima chuva!

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Profano Sagrado


O que aparentemente é " incorreto", quando aliado à capacidade humana de redesenhar o "bom", permite o apontamento de um novo "correto", que por sua vez transforma a realidade profana em sagrada.

Nilton Bonder ( A alma imoral )

terça-feira, 6 de abril de 2010

Polaridades


Amor e Amizade

Não podemos comparar à amizade a afeição que sentimos para com as mulheres, conquanto ela provenha da nossa escolha, nem tão-pouco podemos pô-la na mesma categoria. O seu fogo, confesso-o,

Pois não nos é desconhecida a deusa que um doce amargor junta aos cuidados de amor - Catulo, 'Epigrammata'

é mais activo, abrasador e acerbo, mas é um fogo intempestivo e volúvel, ondulante e diverso, febril, com altos e baixos e que só se prende a nós por um fio. Na amizade há um calor geral e total, de resto, temperado e igual, um calor constante e tranquilo, todo doçura e suavidade e sem nada de áspero ou de pungente. E o que mais é, no amor não há senão um desejo louco furioso do que nos foge:

Tal como à lebre segue o caçador, / Por montes e vales, ao frio e ao calor / E mal a vê presa mais não lhe liga, / Só o passo estuga desde que a persiga - Ariosto, 'Orlando Furioso'

Logo que entra nos domínios da amizade, onde as vontades vão ao encontro uma da outra, o amor esvai-se e enlanguesce. A fruição perde-o, uma vez que o seu objectivo é corporal e está sujeito à saciedade. A amizade, ao invés, é fruída à medida que é desejada, e só desponta, se desenvolve e cresce na fruição, já que é espiritual, e a alma se aperfeiçoa pela prática. Durante essa perfeita amizade, tais afeições passageiras também encontraram lugar para mim, para já não falar de La Boétie, que por de mais o revela nestes seus versos. Assim, os dois tipos de afeição coexistiram em mim, cientes um do outro, mas sem nunca se poderem equiparar: o primeiro, mantendo a sua rota em voo altaneiro e majéstico, e vendo com desdém o outro a fazer piruetas a um nível muito inferior ao seu.

Michel de Montaigne

domingo, 4 de abril de 2010

O dá importância...


"Pessoas deixam de ter a importância que tem, a medida em que não dão importância ao que são... o mesmo ocorre ao revés."

Alex Possati(reflexão)