quinta-feira, 2 de junho de 2011

Nossas Relações "Promiscuas"


Advém da sensação de liberdade que temos, o fato de que não somos nós que estamos a procura de alguém, mas que alguém nos encontre sem procura, nas relações inter pessoais do cotidiano, da postura de quem sai da inércia pra viver sem medo, de quem vai ao encontro do desconhecido todos os dias, incertezas, dúvidas não nos fazem parar, é preciso mais que isso, é preciso ir além da segregação, é isso que não nos permite estar a sós, pois estar só quase nunca é bom, do ponto de vista existencial. Promiscuamente somos lançados na rede de ligações inter dependentes, de onde emana a dádiva inexplicável que as vezes chamamos de amizade.

Alex Possati (reflexão)



"A falta de liberdade não consiste jamais em estar segregado, e sim em estar em promiscuidade, pois o suplício inenarrável é não se poder estar sozinho."
Fiodor Dostoievski

3 comentários:

Helena de Campos disse...

"O medo de amar é o medo de ser livre para o que der e vier... livre para sempre estar onde o justo estiver...
O medo de amar é não arriscar, esperando que façam por nós o que é nosso dever, recusar o poder."

(Beto Guedes)

Sergio Martins disse...

Maninho; sua reflexão é incontestável. Há uma grande confusão de ideias a esse respeito mesmo. Confundem solidão com o simples fato de se estar a sós, saudade com ausência e afinidade com amizade. O que realmente é promíscuo, digo do ponto de vista moral, é o desejo das pessoas por fugirem de si em não querendo estar a sós cosigo mesmas, mas sobretudo, de não se arriscarem, de não assumirem a liderança de suas próprias vidas. Abç!

Edson Duarte disse...

Diante da impossibilidade da dizer ao cristão... FOOOODAAAAA.
Me limito a aplaudir...