sábado, 26 de junho de 2010

Dois Barcos


Quem bater primeira dobra do mar
Dá de lá bandeira qualquer
Aponta pra fé e rema

É, pode ser que a maré não vire
Pode ser do vento vir contra o cais
E se já não sinto teus sinais
Pode ser da vida acostumar

Será, Morena?
Sobre estar só, eu sei
Nos mares por onde andei
Devagar
Dedicou-se mais
O acaso a se esconder
E agora
o amanhã, cadê?

Doce o mar, perdeu no meu cantar ...

Só eu sei
Nos mares por onde andei
Devagar
Dedicou-se mais
O acaso a se esconder
E agora o amanhã, cadê?

(Los Hermanos)

Um comentário:

Daniele Cezar disse...

ah, a gente sempre quer saber do amanhã... tolice, tolice, daqui a pouco o amanhã já foi ontem. e começa tudo de novo.

:)