terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

De quem é a culpa? Eu arrisco ...


Nesse último final de semana fomos surpreendidos com a notícia publicada pela TV e pelos jornais sobre o que está sendo feito com as doações que foram entregues a defesa civil e aos bombeiros para serem levadas a Santa Catarina e outras vítimas das chuvas e enchentes que nos acometeram nesses últimos meses. Todos nós acompanhamos com muita comoção, a voluntariedade de milhares de pessoas querendo de alguma maneira, participar desse sentimento de ajuda ao próximo que envolveu a toda população. Uma verdadeira demonstração de carinho e solidariedade que resultou na arrecadação de milhares de donativos em poucas semanas... a sensação de missão cumprida estava concluída... mas como sempre, foi só uma sensação.

Após pensar sobre esse caso, tentei buscar os culpados, confesso que fiquei indignado, muito mesmo, foi quando a reflexão me reportou para alguns culpados indesculpáveis que deixaram essas honestas doações virarem cinzas: a tão imponente, absoluta, exclusiva, dona da verdade, ditadora dos padrões morais, a incontestável, a ungida, a enviada, a televisiva, a milagreira, a inchada, a vazia, a abstraída instituição " IGREJA EVANGÉLICA".

Sim meus amigos, aqui vai a minha revolta com relação a estagnação e apatia com que a instituição chamada "Igreja Evangélica" cuida desses assuntos, é impressionante ver a inoperância e a indiferença, poderíamos impressionar a população com o espírito de voluntariedade e assumir um papel de destaque nesse processo, mas onde estávamos quando tudo virava cinza? possivelmente em frente a TV ou enchendo nossos templos com toda "devoção", marcando presença em mais uma liturgia gospel. Quão bom seria se nossas freqüências aos "cultos" fossem proporcionalmente ligadas as nossas ações sociais, ao servir ao próximo, ao voluntariado sem barganhas...

Enquanto enchemos os templos, pessoas morrem de fome, de frio, de sede... enquanto enchemos os templos, cobertores são queimados, agasalhos destruídos, brinquedos esfacelados... enquanto enchemos os templos, vidas são ceifadas, esperanças findas, sonhos desfeitos... será que nosso bom senso também virou cinzas? ou assumimos a culpa, ou continuaremos brincar de "Crentes".
Assim eu oro..
"Deus, me livre de mim mesmo, me perdoe pelo meu descaso e apatia, não quero ser mais um no meio da multidão, meu Deus, que a tua graça me faça reflexivo a cada dia para que e não caia no engodo de que tu habitas em templos feitos por mãos de homens. Meu Deus, que o verdadeiro sentido de Evangelho possa fazer a diferença em minha vida, que o teu amor seja notório em minhas ações, e que a minha vida seja alvo do teu amor em direção ao próximo... assim desejo viver."

Nesse momento, envergonhado...