segunda-feira, 4 de agosto de 2008

VERBORRAGICAMENTE

Shekiná virou borracharia
Poder e Unção virou farmácia
Elshadai virou padaria
E o evangelho herezia...

Assim banalizamos
Cotaminados pela sugeira
De uma religião de falácia
Com o povo e sua cegueira

Nos perdoe ó Senhor Deus
Pelas lambanças dessa vida
Contrariando os teus preceitos
Com nossos preconceitos vazios...

De imagem e semelhança
A deformidade chocante
Tornando-se participantes diretos
Dessa metamorfose celeste

Alex Possati (Reflexão)


2 comentários:

Textos e Outros disse...

...Meu Irmãozão...!!!

..tô com saudades de tu, e espero que as novidades da minha vida tenham chegado até você.

..Lembre-se de mim nas suas orações, tô precisando.

..bjs, Telmo.

Jonathan disse...

Esse "Poema" é muito bom...Me fez formular a seguinte questão...Viver num sistema como este, cuja a consciencia histórica lhe causa náuseas, não é aumentar a sua legitimação neurótica ou daria de dentro dele subvertê-lo?

Penso que Jesus Criticou o sistema religioso de sua época do Lado de fora - ou não foi?

abraços